Aquisição de novas plantadeiras possibilita agilidade de trabalho na Fundação MS

Equipamentos possuem características que permitem melhor distribuição de adubos e sementes

08/10/2021 13h27 - Por: Fundação MS

Visando a melhoria contínua e a manutenção da excelência nos trabalhos de pesquisa, a Fundação MS realizou um investimento de R$ 800 mil na aquisição de quatro plantadeiras. As máquinas serão utilizadas para implantação dos trabalhos de soja/ milho e manejo e fertilidade do solo nas 13 Unidades de Pesquisa distribuídas nos municípios do Centro-Sul do Mato Grosso do Sul.

Os aparelhos de última geração foram obtidos por meio de convênio com o Governo do Estado, oriundo do Fundo para Desenvolvimento das Culturas para o Milho e para a Soja (Fundems), e já estão sendo utilizados para plantio dos ensaios safra 21/22, aumentando a agilidade e melhorando a qualidade dos resultados da pesquisa.

"As máquinas são dotadas do que há de mais moderno em termos de tecnologia, como controle de taxa variável na distribuição da semente e do fertilizante", disse o diretor executivo da Fundação MS, Alex Marcel Melotto.

Entre as principais características das novas máquinas estão engrenagens que permitem o plantio de parcelas de densidade variável, sistema de descarte de semente automático com reservatório onde fica toda a sobra, painel elétrico e Micron para fazer pulverizações no sulco de plantio com defensivos e fertilizantes, melhorando a distribuição dos insumos.

Os investimentos em tecnologia realizados pela instituição são focados na excelência e na geração de resultados, permitindo constante aprimoramento, tanto de maquinário quanto de pessoal. Com isso, a Fundação MS acompanha os avanços existentes no mercado do agronegócio, levando ao produtor e às empresas parceiras estudos mais assertivos para melhoria da produtividade.

"Passaremos a ter maior desenvoltura e rapidez para garantir respostas mais eficientes e melhor condução da semeadura", destacou o pesquisador responsável pelo setor de Fitotecnia Soja, Dr. André Bezerra.

O pesquisador do setor de Manejo e Fertilidade do Solo, Dr. Douglas Gitti, destaca que a tecnologia de aplicação de fertilizantes permite intensificar os experimentos que relacionam a utilização racional dos adubos e a performance produtiva dos genótipos de soja e milho em função dos diferentes ambientes de produção. "Como exemplo de mudanças que podem agregar com essa tecnologia, temos o manejo dos fertilizantes fosfatados no sistema de produção", cita.

Atualmente, o adubo é utilizado em taxa fixa no sulco de semeadura das plantadeiras, independente dos teores de solo e da capacidade produtiva dos ambientes de produção. "Além disso, quando realizada a taxa variável, é prática mais comum a aplicação na superfície do solo, concentrando-o em camadas superficiais que desfavorecem o aprofundamento do sistema radicular das culturas, característica agronômica primordial para redução dos riscos a intempéries climáticas", explicou Gitti.

A Fundação MS A Fundação MS realiza trabalhos de pesquisa em unidades em Mato Grosso do Sul, na safra e safrinha. Com atuação sempre pautada em demandas advindas dos produtores rurais, em um sistema de trabalho conhecido por 2D´s (Demanda e difusão), os pesquisadores realizam experimentos que visam o desenvolvimento, a produtividade e a qualidade dos produtos.

Através do Conselho Técnico-Científico (CTC) os problemas e desafios são levantados pelos membros, os pesquisadores elaboram protocolos de pesquisa que são levados ao campo. Após todo o manejo, colheita e tabulação dos dados, os resultados são apresentados em cada uma das unidades de pesquisa por meio de eventos promovidos pela Fundação MS: dias de campo, apresentações de resultados, no site, Portal do Associado e Showtec.

A Fundação MS também atua com parcerias e cooperações, testando eficiência, validação, posicionando e auxiliando no desenvolvimento de produtos que estão em fase pré-comercial ou já disponíveis no mercado, prestando serviços nas áreas de Manejo e Fertilidade do Solo, Fitotecnia Soja, Fitotecnia Milho e Sorgo, Herbologia/Entomologia e Nematologia/Fitopatologia.